segunda-feira, 8 de junho de 2009

Apatia globalizada

Às vezes, por uma espécie de resíduo de um pensamento colonial, temos a idéia que, na Europa, as coisas são diferentes. Na metrópole, os valores são mais fortes, porém enganamo-nos. Basta vermos Berlusconi.
A farra do primeiro ministro italiano não é o tema da postagem. O povo italiano não se revoltou com a orgia do governante. Certos estão, pois seria hipocrisia puritana condená-lo por essa razão. Os italianos revoltaram-se, porque o dinheiro, ou parte deste, gasto, na festa, era público. Este projeto de Mussolini que governa a Itália, recentemente, sancionou uma dura lei contra emigrantes na sua península. Mas, o que mais nos deixa intrigados é a apatia do seu povo, cuja revolta não se torna manifestação pública, protestos, pressões. Observamos, então, que a inércia, como quase tudo no mundo, está globalizada. De fato, uma pena.
Cá temos as palmeiras, as aves que gorjeiam, e temos casos e mais casos de casos arquivados, sem que a população tenha a simples curiosidade de indagar sobre investigações e tentar apurar, esclarecer os fatos. Tivemos um PC Farias morto em condições obscuras, tivemos uma ditadura já esquecida pela população, temos um presidente que não sabe de nada, aqui, no RS, temos uma governadora que tem alguns bens de valores que ela não teria como pagar, para citar apenas alguns fatos. Mas não há problemas. Damos um jeitinho, empurramos com a barriga e as coisas ficam bem. Estamos a viver na globalização da apatia. Não podemos nos preocupar com "situações que não nos dizem respeito". Pois, afinal, conflitar é muito estressante.

Um comentário:

°annE | Q Mania BRECHÓ disse...

É muito triste ter que concordar. Isso me faz pensar em um ditado: "uma andorinha só não faz verão"... Será que nao seria a hora de estas andorinhas (pessoas que querem mudar alguma coisa) simplesmente se unirem? Ou será mesmo que existem tão poucas delas perdidas por aí que mesmo juntas não conseguiriam mudar alguma coisa? É muito triste pensar na segunda opção....