segunda-feira, 2 de agosto de 2010

Rotina e Cotidiano

Segundo o Dicionário Aurélio, rotina: seqüência de atos ou procedimentos que se observa pela força do hábito; rotineira. Cotidiano: aquilo que se faz ou ocorre todos os dias. Os dois significados são bastante próximos, assim como a sua diferença, que é quase imperceptível, no entanto, o cotidiano é extremamente aprazível, enquanto a rotina é cansativa e digna de rejeição.
Estabelecer ações que se repetem e dão ritmo à vida, deixar que a vida imponha suas necessidades, apresentando-nos tarefas a serem realizadas habitualmente, é importante, é, digamos até, necessário para quem pretende algo de interessante em sua vida. É do cotidiano dormir, acordar, comer, estudar, trabalhar, divertir-se, conhecer pessoas, afastar-se de pessoas, criar expectativas, perder as esperanças, apaixonar-se, desiludir-se, mudar. Sim, mudar faz parte do cotidiano; cada dia a cada minuto que passa somos outro, com um minuto a mais de vida, com algo diferente, com um aprendizado, com uma sensação, com uma passagem do tempo ao menos. Já a rotina machuca, pois é a impossibilidade de um acontecimento novo. É algo que pesa, porque se faz sentir desagradável. Algo que antes era prazeroso, uma novidade que, ao passar do tempo, torna-se hábito pode ser cotidiana quando temos a possibilidade de fugirmos dela, agora quando se enraíza e não nos deixa escapatória faz-se rotina. A rotina é a própria desilusão com a seqüência repetida dos fatos; pode ser encarada como o cotidiano sem fuga, sem flexibilidade, rígido e inexorável. Ou seja, a rotina é o que pela sua repetição dilacera. É uma ferida aberta e remoída, impedindo sua cicatrização, diária. Do mais banal ao mais necessário, a rotina é aquela sensação de não querer mais aquilo, contudo ser impelido ao indesejado. As ações cotidianas regram a vida, colocam horários, métodos e et ceteras; a rotina é quando essas regras querem ser quebradas, porém não se pode burlá-las.
Para quem chegou até aqui no texto e não concordou tudo bem, pois para mim isso é cotidiano. Se discordou de cada um dos conceitos, sem problemas, pois isto é uma negociação de sentidos e podem ser invertidos para quem crê que cotidiano é o descrito como rotina e vice-versa. Agora, fica um pedido, tornem a leitura algo do cotidiano, sem virar rotina.

7 comentários:

Juh Culau disse...

Sabe q as vezes tu acaba escrevendo sobre algo q eu havia poensado um dia antes? isso eh legal, pq eu nao sou um ET hauhauah...penso coisas q outras pessos tb pensam...ou nós dois somos ET's?! LOL...
Brincadeiras e divagações a parte, gostei e concordo!
To adorando sempre ter um pensamento fascinante atualizado para ler...pena q logo voltam as aulas e minha "félix...idade" se vai heuheuheuh...Bjos meu bruxo e msmo q eu nao comente, sempre tenha a certeza de q estarei por aqui lendo teus fascinantes pensamentos!

Rodrigo Bentancurt disse...

Jujis, é óbvio que nós dois somos ET's, mas o mais interessante é que não estamos sozinhos.
Valeu por ler cotidianamente o blog. Fascinante é ter leitores como tu.
Beijo!

mayara disse...

Olá,

Adorei a sua postagem, acredito que a partir daqui vou ler mais seu blog..srs

quanto ao assunto tratado, acho que a definição das duas coisas podem ser invertidas porque a rotina como disse um poeta ela te sufoca, porém você pode sair dela. O cotidiano vejo como algo que está ao nosso redor e nem percebemos.

beijos...

Rodrigo disse...

Que interessante, Mayara.
Obrigado pela visita.
É muito bom quando alguém comenta postagens antigas, pois, com o passar do tempo, vou me esquecendo delas.
Abraços

Natália disse...

Post meio antigo, porém ainda verídico. Inclusive, usarei para um trabalho escolar. Escreve muito bem.

Rodrigo disse...

Que bom que gostaste, Natália! Seja bem-vinda.

Irisneide Neves disse...

ótimo....