segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

Intensidade


Acho que o meu carpe diem deveria ser “que não seja imortal posto que é chama/ mas que seja infinito enquanto dure”, isto é, não um exato carpe diem, mas uma forma de pensarmos a existência e a nossa ação sobre o mundo, enquanto ele age sobre nós. Às vezes desejamos uma existência duradoura e, para tal, privamo-nos de uma gama de situações, de ações em nome da quantidade.
Projetamos uma vida longa, embora para isso precisemos deixar muito do que nos agrada. Projetamos relacionamentos para vida inteira e para tal abdicamos do que nos interessava neles para não batermos de frente. Mas o que vale é a qualidade, aqui, leia-se intensidade. A vida deve ser intensa. Tudo pode durar um minuto se for profundo. A pele deve arrepiar-se, os sentimentos aflorarem, pois assim sentimos que estamos vivendo.
Portanto, onde diz intensidade, leia-se vida. No entanto, uma vida vivida, que espreme até a última gota de suco de tudo, viver sem ter a nostalgia de haver deixado de fazer uma porção de coisas que não somos mais capazes hoje. Isso é viver intensamente. Não projetemos a imortalidade, queiramos a intensidade. 

12 comentários:

Débora disse...

concordo contigo "se inteiro em tudo que faz" já dizia o poeta.
Bjo

Rodrigo Bentancurt disse...

Exatamente!
Beijão.

Anônimo disse...

Meu caro,como Darwin e sua teoria da evolução, vejo que a cada vez que escreves, melhoras mais o que já estava bom, parabéns!

Hoje nem tenho muito o que comentar, afinal, você sintetizou perfeitamente a ideia de vida que se deve levar. A gente convive 5 minutos, um dia ou apenas uma noite com pessoas que nesse curto mas qualificado período, te ensinam muito mais coisas que pessoas que estão ha anos em nossas vidas.

Parabéns e abraço!

Adriano Morais

Rodrigo Bentancurt disse...

Adriano, eu fico cada vez mais contente com teus comentários, mas não porque eles sejam elogiosos, senão porque vejo o interesse e o bom português, algo muito raro hoje em dia, de alguém que não é da área das Letras. É por existirem pessoas como tu que ainda acho que vale a pena dar a cara à tapa e escrever.
Um abraço.

Anônimo disse...

Me considero um semi-analfabeto em um país de analfabetos e ignorantes. Segue em frente, escreves bem, tens esse dom. Quem dá o tapa meu amigo, é por que não tem argumento. A melhor forma de evoluir é debater ideias com pessoas inteligentes, logo, o faço contigo.

Abraço.

Adriano Morais

Fyllos Logos disse...

Querido, passo para saudar-lhe.Em breve, estarei com aborto de pensamentos,novamente, ativado.Beijos!

Rodrigo Bentancurt disse...

Por favor, Fyllos Logos, volte a nos brindar com sua escrita visceral.
Beijos.

Emoções disse...

Na vida há tempo para se arriscar e tempo para se ser cauteloso, e um homem sensato sabe qual é a altura certa para cada uma destas coisas.

Anônimo disse...

Momentos intensos são mais que verdadeiros...principalmente quando não se consegue apagá-los da memória!!!

Rodrigo Bentancurt disse...

Pois é, Anônimo, que bom que concordas com o texto.
Abraço.

Anônimo disse...

Um dia, ouvi dizer que intensidade é o inusitado encontro entre duas mãos: uma grande e uma pequena. A grande é macia, gentil e "caliente". E a pequena, apesar de ter passado por desilusões, descobre, naquele momento, que está viva!!!

Rodrigo Bentancurt disse...

Gostei dessa teoria!